PRIMEIRA EDIÇÃO

Tiago Tebet – Julia Kater Nazareno – Monica Nador

Julia Kater

Paris, França, 1980 | Vive e trabalha em São Paulo, Brasil.

A pesquisa da artista Julia Kater é pautada na elaboração de um corpo de obras que consiga tratá-la a partir de sua improbabilidade visual. Seja pela colagem realizada por diferentes impressões fotográficas sobrepostas, que anuncia um céu que vela – a despeito de seu caráter invisível –, ou pelos vídeos que promovem o remanejo de um conjunto de ações e de frases, cada obra prioriza, à sua maneira, a elaboração de corpos de cenas corriqueiras que sugerem convívios simultâneos com a tenaz memória e com o embate que esta tem com o esquecimento, seu aliado e responsável pela perda paulatina de grande parte das verdades que definem a vida.

Suas obras estão presentes em acervos de importantes instituições, entre elas no Museu de Arte do Rio, Museu Oscar Niemeyer, Museu de Arte de Ribeirão Preto, Fundacíon Luis Seoane (La Corunha, Espanha) e Fundação PLMJ (Lisboa, Portugal).

Obra:
Intervenção em fotografia impressa
em papel Matt Fribe Hahnemuhle
35 x 50 (emoldurada)

Monica Nador

Ribeirão Preto, 1955 | Vive e trabalha em São Paulo, Brasil.

Artista da geração 80, participa de diversas exposições coletivas e individuais em galerias e museus nacionais e internacionais. Em meados dos anos 90 passa a produzir algumas pinturas murais e, a partir do final dos anos 90, inicia seu trabalho “Paredes Pinturas” que consiste em oficinas de pintura de casas em regiões marginalizadas, juntamente com os moradores das mesmas. Este projeto culmina na criação do JAMAC em 2004, Jardim Miriam Arte Clube, associação sem fins lucrativos formada por artistas e moradores do bairro Jardim Miriam, zona sul de São Paulo (Subprefeitura da Cidade Ademar). Um espaço independente de prática e compartilhamento artístico. O Jamac surge, assim, a partir do projeto desenvolvido pela artista Mônica Nador, que sai do circuito convencional das artes e expande seu trabalho por meio de processos de educação e formação cidadã. Desenvolvendo diálogos com oficinas de estêncil em regiões marginalizadas e a pintura de muros e casas desses territórios, constitui um pensamento comprometido com a articulações de poéticas, políticas e éticas na arte.

Desenvolvendo diálogos com oficinas de estêncil em regiões marginalizadas e a pintura de muros e casas desses territórios, constitui um pensamento comprometido com a articulações de poéticas, políticas e éticas na arte.

Obra:
Casa na árvore, brinco, meião de
futebol, elemento vazado, 2017
Serigrafia em papel algodão
54,5 x 54,5 cm(emoldurada)

Nazareno

São Paulo, 1967 | Vive e trabalha em São Paulo, Brasil.

Graduado no bacharelado em artes visuais na Universidade de Brasília em 1998.
Nazareno aborda em suas obras aspectos relativos à memória, infância, contos de fadas, narrativas… bem como a fragilidade do sujeito contemporâneo frente à impossibilidade de transcendência. Realizadas em variadas mídias como desenho, esculturas, instalações, vídeos, gravuras, entre outras, são trabalhos que potencializam a atenção do espectador pelo caráter de sua miniaturização evidenciando outras realidades e eventualmente conduzindo o adulto/espectador a um estranhamento em seu rebaixamento a uma condição infantil.

Com uma carreira que conta com exposições nacionais e internacionais nos últimos quinze anos, além de prêmios e publicações em revistas, catálogos e livros de arte, as obras do artista estão em diversas coleções públicas e privadas, tais como Museu de Arte de Brasília, MAM-RJ, MAM Recife, FVCB Fundacao Vera Chaves Barcelos (Viamao, RS), MAR – Museu de Arte do Rio, Museu de Arte Contemporânea Dragão do Mar (Fortaleza, CE), MAC USP – Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo.

Obra:
Não se perde o jogo, 2017
Serigrafia em papel algodão
41 x 51,5 cm (emoldurada)

Tiago Tebet

São Paulo, 1986 | Vive e trabalha em São Paulo, Brasil.

Com um trabalho principalmente baseado em pintura, o artista trabalhou como assistente de Antonio Peticov e formou-se em Belas Artes pela Fundação Armando Álvares Penteado, FAAP. Em 2007, 2008 e 2009, o artista apresentou em três Exposições Anuais (exposições internas na FAAP), e foi selecionado para uma bolsa de estudos. Ainda na faculdade, integrou o grupo Anarcademia de Dora Longo Bahia, no qual participou na Bienal de Arte de São Paulo (2008), com curadoria de Ivo Mesquita. Nesse mesmo ano, apresentou seu trabalho na Casa Vazia, em São Paulo.

Em 2010, participou da mostra Arrebaldes e Arredores, no edifício Lutetia da FAAP, e na mostra Paralela. Em 2011, teve seu primeiro show solo na Luciana Brito Galeria, intitulado Standard. Nesse mesmo ano participou do Programa Exposições, no Museu de Arte de Ribeirão Preto, MARP. Em 2013 apresentou sua segunda individual, “Overal”, na Luciana Brito Galeria. Em 2015, Tiago Tebet participou nas bienais do Rio de Janeiro e do Mercosul, em Porto Alegre, e também realizou a curadoria da exposição coletiva “30RAT/ART” na Luciana Brito Galeria. Em 2017, ele participou da exposição “Fábula, frisson, melancolia” no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, em seguida, apresentou sua terceira individual “AAAaahhh!!!”, na Luciana Brito Galeria.

Obra:
Sem titulo, 2018
Litografia em papel algodão
57,5 x 42,5 cm (emoldurada)